Arquivos do Blog

Benefícios da compostagem

* Reduzir em cerca de 50% o volume total produzido por residências. No caso das empresas, o índice varia de acordo com o tipo de atividade desenvolvida;
* A compostagem empresarial possibilita ações de marketing ambiental e fortalece a imagem das organizações;
* Aliviar a demanda por aterros sanitários, que estão sobrecarregados;
* Reduzir a emissão de poluentes e o uso de energia no transporte de resíduos;
* Evitar a geração de sub-produtos poluentes, como o chorume tóxico e o gás metano, que contaminam o solo, os lençóis freáticos e a atmosfera;
* Produzir fertilizantes de forma natural e gratuita, sem o uso de produtos químicos sintetizados artificialmente;
* A própria atividade da compostagem incentiva a conscientização ambiental dos indivíduos;
* Promoção da capacitação ambiental e do potencial de geração de renda das pessoas envolvidas nas atividades relacionadas à compostagem.
* O adubo resultante da compostagem pode ser utilizado em jardins e hortas, tornar-se brinde para amigos, clientes e fornecedores ou então ser vendido, gerando lucro;
* A compostagem gera economia. No caso das empresas, redução dos custos relacionados à coleta de resíduos. Nas residências, elimina a necessidade de adquirir adubo para plantas;
* As minhocas californianas vermelhas se reproduzem rapidamente nas composteiras e possuem um elevado valor de mercado;
* Possíveis abonos fiscais para as empresas devido à redução das emissões de gás carbônico (combustível utilizado para o transporte dos resíduos e gases provenientes dos aterros sanitários);
* No caso das empresas e hotéis, maior facilidade para obter certificações ambientais.

Fonte: Morada da Floresta

Anúncios

Composteira e Horta – parte I

Os próximos posts do Recicla Flores será o passo-a-passo da construção e desenvolvimento de uma composteira e de uma horta.

Já faz um tempo que preciso começar a construir uma composteira para os resíduos orgânicos da casa e de quebra, fazer uma bela horta. Aqui do lado de casa tem um terreno em declive enorme que está sendo invadido pelos bambus e pelo mato. Demorou para fazer esta área ser um ambiente produtivo e equilibrado !!!

O que ainda não está definido é qual tipo de horta faremos, se canteiros ou em formato de mandalas, aliás estou descobrindo que trabalhar com a terra, leva tempo e dedicação, além de paciência. Pois eu achava que num passe de mágica já teria feito tudo, mas não é bem assim e não consigo fazer tudo sozinha.

De qualquer forma, a cada semana vou documentar um novo passo no desenvolvimento deste projeto que estou fazendo com muita dedicação e AMOR. E vale lembrar que quase todo o material utilizado nestas construções é Reutilizado e/ou Reciclado.

TERRENO – ANTES

Esta foto mostra uma visão geral da área do terreno, só mato, bambu, raiz de bambu, folhas secas, galhos, e afins….. trabalhoso!

visão geral

 OLHA A SITUAÇÃO DO TERRENO

visão de cima do terreno

 

 TERRENO – DEPOIS

QUE DIFERENÇA !!

área limpa

Canteiros desativados. Em breve, novos ambientes….

canteiros

COMPOSTEIRA – ANTES

Optamos por construir a composteira de minhocas (Minhocário), pois ela pode ser feita diretamente no solo (sistema simples) e aqui tem bastante minhoca. Estamos na fase inicial da construção e, como não tenho experiência, ainda medimos aqui e ali até acertar o melhor lugar, nivelamos a terra e reorganizamos os paletes.

construção

 

Quase pronta a primeira caixa da composteira. Assim que terminarmos esta fase, já pode colocar o “lixo orgânico” junto com terra de boa qualidade, serragem, folhas secas, madeira, papel picado e, se for o caso, cinzas de lareira.

quase lá

 

 

 

 

 

 

 

 

Após finalizar a primeira caixa, começamos a construção da segunda, pois como já foi postado neste blog, o ideal é ter um ciclo na compostagem e, assim que uma caixa encher de matéria orgânica começar a outra e, quando a segunda caixa estiver cheia, a primeira estará pronta para usar como adubo na terra.

Compostagem – Parte 2

P7050030

 

Quais são os benefícios trazidos pelo composto orgânico?

* Benefícios físicos

A adição de composto orgânico reduz a densidade do solo, tornando-o mais fácil de ser trabalhado e mais poroso, aumenta a sua permeabilidade à água e aos gases, reduzindo dessa forma a erosão. O composto orgânico resiste à compactação em solos de textura fina e aumenta a capacidade de retenção de água e melhora a agregação em terrenos de textura granulada (arenosos). A adição de composto orgânico pode também gerar uma maior resistência aos períodos de secas e propiciar uma utilização mais eficiente da água. Portanto, a freqüência e a intensidade da irrigação podem ser reduzidas. A terra misturada ao composto torna-se rica em nutrientes e fica mais escura, fazendo com que absorva mais calor do que o solo sem o composto orgânico, tornando-o um meio ambiente mais favorável para a lavoura e o cultivo de plantas ornamentais.

* Benefícios químicos

 Os principais elementos encontrados no composto são o nitrogênio, o potássio, o ferro, o fósforo, o enxofre e o cálcio. Esses elementos variam em quantidade, de acordo com a composição original do aprovisionamento e do processo de compostagem usado. As percentagens de N-P-K no composto orgânico acabado são relativamente baixas, mas o benefício trazido por elas acontece devido à liberação de nitrogênio e fósforo no solo em proporções que, embora baixas, podem ser usadas pelas plantas e não são perdidas por causa da lixiviação.

A adição do composto ao solo pode modificar o pH da mistura final. Dependendo do pH do composto orgânico e do solo original, o acréscimo do composto pode elevar ou reduzir o pH da mistura terra/composto orgânico. Portanto, quando se mistura um composto que tenha o pH variando de neutro a levemente alcalino a um solo de pH ácido, isso aumentará o pH do solo se forem respeitadas as proporções adequadas. Em condições específicas, descobriu-se que o composto orgânico afeta o pH do solo mesmo quando e aplicado em pequenas quantidades, como por exemplo: 20-50 toneladas por hectare (10.000 m2).

O composto orgânico irá também melhorar a capacidade de troca de cátions dos terrenos, capacitando-os a reter nutrientes por mais tempo. Isso, da mesma forma, permitirá que as plantações utilizem mais apropriadamente os nutrientes e que a perda desses últimos pela lixiviação seja reduzida. O aumento da capacidade de troca de cátions dos solos arenosos pela adição de composto orgânico pode melhorar grandemente a retenção de nutrientes para as plantas na zona da raiz.

* Benefícios biológicos

A atividade dos organismos do solo é essencial para a produtividade do solo e para obtenção de plantas saudáveis. Sua atividade é baseada, fundamentalmente, na presença de matéria orgânica. Os microorganismos presentes no solo incluem as bactérias, os protozoários, os actinomicetos e os fungos.

Os microorganismos têm um papel importante na decomposição da matéria orgânica que, por sua vez, leva à formação de húmus e ao aumento da disponibilidade de nutrientes. Os microorganismos podem também melhorar a atividade das raízes como acontece com fungos específicos que agem em simbiose com as raízes das plantas, ajudando-as na obtenção de nutrientes do solo. O aumento da quantidade de minhocas também pode ser incentivado se houver níveis adequados de nutrientes. Elas fazem com que a infiltração de água e a aeração sejam aumentadas através da construção de seus túneis.